Carol Hungria: a nova queridinha das debutantes

Por  |  0 Comments

Da magia dos 15 anos Carol entende bem. Seu jeito leve e descolado de levar a vida é o que aumenta a empatia quando se encontra pela primeira vez com as debutantes em seu atelier, no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro. Sério que você não a conhece?

carol-hungria Foto Paulo HerediaAlém do astral, coisas peculiares de meninas dessa idade também fazem parte de seu cotidiano: estilo, um estoque de tênis, vestidinhos, estampas, esmaltes coloridos, riso solto e personalidade brincalhona. Para ficar ainda mais à vontade, some aí um time de estilistas antenadas e descontraídas – requisito básico para fazer parte da equipe Carol Hungria, que faz essa mistura dar tão certo. Em sua timeline já são 10 anos de história. Isso sem considerar trabalhos realizados desde os 18 anos (quando se apaixonou pelo mundo da moda) e focando apenas no tempo em que inaugurou seu próprio atelier.

Quando fez o primeiro vestido de debutante? Como foi?

O primeiro vestido de debutante que eu fiz foi de uma menina super novinha. Ela queria um vestido mais clássico, princesa, bem quinze anos mesmo. A gente fez um modelo branco todo trabalhado com renda e bordado. Foi muito gostoso fazer porque foi uma coisa super tradicional, que não é tão comum hoje em dia. As meninas de quinze anos que me procuram atualmente querem fazer vestidos fora do comum, por isso gostei muito desse meu primeiro contato ser com alguém tão delicada. Isso já fazem uns oito anos e de lá para cá as coisas mudaram bastante em relação à moda e até à maneira que elas usam os vestidos. Nessa época não era comum a gente fazer tantos modelos. Geralmente fazíamos um vestido, que foi o caso dela. Desenvolvemos algo bem luxuoso para receber os convidados e para ficar até o final da festa para dançar.

A partir dele, como se sucederam os próximos?

Nesses últimos anos houve uma evolução muito grande nesse mercado de festas de 15 anos. Como eu disse, a primeira cliente que eu fiz era super clássica, delicada, e sinto que o perfil foi mudando ao longo do tempo. Eu vejo as meninas hoje em dia fazendo festas temáticas com várias atrações e uma quantidade maior de modelos, por isso elas acabam procurando roupas mais confortáveis para dançar, curtir, se divertir, sem ter aquele vestido fazendo peso ou atrapalhando os movimentos.

Isso começou de uma forma um pouco tímida. As meninas começaram usando um vestido da valsa para receber os convidados e um outro para festa, e agora já são três: um para recepção (que é mais temático e parecido com o clima e e cores da festa), um para valsa (mais luxuoso e tradicional com a saia removível) e um bem balada para a festa. Cada vez mais sinto que elas querem algo muito personalizado e luxuoso.

Carol Hungria: Vestido branco de tule

O que é diferente no atendimento entre noivas e debutantes?

A maior diferença entre elas é realmente na questão da idade e da maturidade. A maioria das noivas sabe o que querem, como se gostam vestidas, o que preferem valorizar no corpo e elas têm total consciência em questões como decote ou ajuste. Às vezes as noivas pedem uma abertura nas costas e na frente compensam com algo mais coberto para valorizar o corpo sem ficar muito vulgar. Enfim, não gostam de ficar com muitas curvas para não parecer exagero. Elas têm um certo limite.

Já as meninas novinhas querem valorizar o corpo, mas elas não têm muito essa noção. Quando elas pedem um vestido curto não é um curtinho, é um muito curto. Por isso a gente tem que analisar bem a maneira como elas vão organizando o vestido na cabeça delas e como esse vestido vai realmente sair. Eu tento tomar bastante cuidado sempre com essa questão de bainha e também de brilho, porque sei que elas exageram. Em todo o processo de definição vou moldando para que a roupa fique com a cara dessa cliente, mas ao mesmo tempo seja uma coisa chique e que converse com a festa. Elas têm quinze anos, são realmente muito novinhas, não pode ser algo muito “over”.

Enfim, essa diferença de  maturidade se reflete no auto conhecimento que cada uma tem si. A debutante é uma cliente que eu moldo mais, que eu consigo extrair, de uma forma muito mais devagar, detalhes importantes que às vezes elas mesmas não conheciam, enquanto a noiva, sendo mais madura, já se conhece mais, então ela automaticamente me entrega mais coisas e eu não preciso buscar tanto.

Você se identifica com elas?

Sim, me identifico bastante, porque em várias situações acabo me vendo quando tinha essa idade. Me lembro que eu era mais envergonhada aos 15, então tento trabalhar de uma forma que elas se sintam bem à vontade. Na minha época de quinze anos não era moda fazer uma festa tão grande, com vestidão. A moda era viajar para a Disney, ou fazer uma festinha menor. Eu fiz uma festinha no japonês, e não me lembro de decidir minha roupa, porque tinha vergonha de organizar, de pensar nisso. Hoje em dia as meninas são super “pra frente”, já conhecem moda, os estilistas, tudo. Na minha época era diferente essa coisa do acesso à informação. Parece bobagem mas há seis anos quando eu casei não existia Instagram, que hoje em dia está na vida de todo mundo o tempo todo com inspirações e tudo mais, o que facilita muito.

Enfim, eu me identifico bastante porque vejo muitas meninas envergonhadas, então acho gostoso lidar. Realmente tento deixá-las muito à vontade para que eu possa participar do sonho delas. Essa semana mesmo uma debutante começou a chorar na prova porque a mãe estava pressionando para ela usar a roupa x ou y. Tentei ser bem sensitiva e fui organizando isso de alguma forma para satisfazer tanto a mãe quanto ela, e terminou dando super certo, elas saíram de lá super felizes. É difícil, tem que ter bastante sensibilidade, por isso eu me identifico tanto.

Como definiria as debutantes de hoje em dia? Ou melhor, qual o perfil das debutantes que vestem Carol Hungria?

No geralmente são meninas bem estilosas, mas podemos dividi-las em dois grupos. O primeiro é composto por um perfil um pouco mais maduro. Elas sabem o que querem vestir, curtem meu estilo, meus vestidos, curtem moda, e aí a gente vai tendo uma troca super legal ao longo do atendimento para criar o modelo perfeito. No segundo grupo as meninas me admiram de alguma forma mas às vezes não tem esse conhecimento ou essa linguagem de saber explicar o que querem, e elas se sentem à vontade e me procuram justamente por isso, porque precisam de alguém resolva aquela roupa para elas.

Qual o tempo ideal para contratarem o serviço?

Para qualquer vestido no atelier, de noiva ou debutante, eu aconselho oito meses de antecedência porque às vezes elas querem um material bem específico, uma renda diferenciada ou um bordado muito trabalhoso. É bom a gente ter um prazo para trabalhar essa compra de material e o desenvolvimento da peça. Mas não é regra. Essa semana mesmo eu fechei uma debutante para agosto, daqui a menos de dois meses, e o vestido vai ficar maravilhoso! A gente buscou os materiais que eu já tinha no atelier. Também tenho debutante para final de 2017, que eu já vendi desde o começo do ano. Assim como para vestido de noiva, a gente tem esse disparate de data, de programação, mas de qualquer maneira conseguimos deixar o vestido lindo, mesmo com pouco tempo. O legal de ter antecedência é poder ir planejando tudo. Até porque as meninas de quinze anos geralmente estudam, fazem vários esportes e não tem muito tempo para provar os vestidos, por isso é bom temos uma margem para imprevistos.

Como é a primeira reunião? As mães sempre vão juntas? Elas levam amigas, referências? Mudam muito de opinião?

Em 99% dos casos as mães vêm na primeira reunião. Quando não, sempre tem uma pessoa responsável, como uma tia ou avó, e quando assim somente porque ela teve algum compromisso inadiável ou está trabalhando, viajando. Quando não aparecem no primeiro encontro, acabam indo em todas as provas. Na maioria das vezes é muito legal quando a mãe vai porque ela consegue pôr em palavras os desejos da filha, que geralmente é envergonhada ou não consegue falar tanto, por isso acabo tendo uma troca muito legal com a mãe. Elas atrapalham um pouquinho quando querem algo diferente das meninas e isso gera um conflito. Eu preciso fazer o vestido para a minha cliente, que é a debutante, mas é claro que eu também quero satisfazer a mãe, porque querendo ou não a festa também é dela. Por isso sempre tento organizar um consenso entre elas para no final todo mundo ficar feliz e satisfeito. Dificilmente as debutantes levam amigas, só mesmo quando vão dividir a festa com alguma. Eu acho que nessa idade elas querem mostrar. Penso que devem chegar em casa e ligar para as amigas, contar tudo, mandar fotos das referências dos vestidos que elas vão fazer… Elas não devem levar, acredito eu, porque a opinião das amigas abalaria muito sua auto estima, que é um pouco mais delicada nessa idade.

As meninas de 15 anos dificilmente mudam muito de opinião. Geralmente elas apostam muito em uma coisa e não ficam pensando que existem mil outras possibilidades, mil outras cores. Quando definimos algo a gente embarca e vai. O máximo que pode acontecer é elas pedirem um pouco mais de brilho ou para encurtar um pouco mais o vestido, mas mudar o modelo, o estilo ou colocar um detalhe a mais é muito raro de acontecer. Elas confiam muito no que estamos produzindo, então os vestidos ficam muito bonitos. Isso é muito legal.

Carol Hungria: Debutante com a família

As mães ajudam ou atrapalham? Nessa fase relação entre mãe e filha muitas vezes é conturbada: qual seu conselho para as meninas? E para as mães?

Como eu disse na pergunta anterior, na maioria das vezes as mães ajudam muito. Em alguns momentos elas atrapalham mas não é por mal. Às vezes isso acontece porque elas visualizam a filha usando algo que a filha não quer. Existe também um conflito de estilo entre elas em alguns casos, e isso acaba sendo um empecilho. O meu conselho é que tem que ter um pouco de abertura dos dois lados. As mães não podem impor o desejo delas em cima da filha, elas têm que deixar elas cuidarem um pouco do que elas querem em relação ao vestido até porque isso é um começo de liberdade que elas vão ter de estilo para o resto da vida, para elas criarem um próprio. Mas ao mesmo tempo eu acho  importante as mães darem uns toques porque às vezes as meninas não tem muita noção em relação a comprimento de bainha, ou até de cor mesmo. Já vi casos de meninas super delicadas que escolheram preto porque a amiga falou que preto emagrece. Então é bom a mãe dar um toque sobre o que combina mais com ela, isso sem sobrepor os desejos da filha.

O meu toque para as meninas é que elas têm que pensar que aquela festa é um sonho delas mas ao mesmo tempo é dos pais também, e que eles estão investindo muito dinheiro e tempo em algo para satisfazer os filhos mas também eles próprios. Eu acho que deve ser uma conquista muito grande, você ver o seu filho fazendo quinze anos num evento tão bonito, então as meninas também têm que se colocar um pouquinho do lado das mães. Quando elas querem algo com uma temática muito forte, tipo rock n’ roll, tem que tomar um pouquinho de cuidado para ver se isso não vai agredir muito a mãe. É preciso suavizar dos dois lados.

Normalmente são quantas provas? Como é o processo?

Todos os nossos vestidos normalmente têm quatro provas, contando com a entrega. Acontece uma primeira no algodão, duas provas intermediárias e a entrega. Dificilmente passamos desse número porque os vestidos não mudam muito e o corpo das meninas também não, porque elas não estão naquela fase tipo noiva que querem emagrecer muito para o grande dia. Normalmente é um vestido muito tranquilo de ajustes, a gente só faz essa quantidade de prova para acompanhar os bordados e os detalhes mesmo.

O meu processo de trabalho é sempre o mesmo. Eu gosto sempre de avaliar a modelagem em uma base e depois que ela for aprovada pela cliente que cortamos a peça no tecido original. Como são sempre modelos muito elaborados com rendas e bordados, eu gosto sempre de fazer uma amostra para ela aprovar. Depois desse ok eu sigo em frente para elas irem visualizando aos poucos, porque as meninas têm um pouco de dificuldade de visualização. Gosto de fazer as provas de quinze anos devagar para a gente não perder o elo e acertar exatamente no que elas gostam.

De onde vêm os produtos?

Os meus produtos vêm de diversos lugares. Mais de 90% das rendas são francesas e algumas poucas são italianas – as mais diferentonas e modernas. Os nossos materiais de seda pura na maioria vêm de fábricas do Brasil mesmo. Os cristais Swarovski são austríacos para deixar os bordados delicados e iluminados ao mesmo tempo. Nosso zíper também é importado. Enfim, tudo é de muita qualidade porque no meu ponto de vista só com esse nível de materiais eu consigo o resultado final perfeito e com aspecto nada grosseiro. Eu defendo bastante os produtos das marcas que costumo comprar.

Carol Hungria: Vestido em degradê

Em quanto tempo, em média, os vestidos ficam prontos?

Os vestidos ficam prontos em média 15 dias antes da festa para a cliente buscar. Como eu falei lá atrás a gente tem vários tipos de perfis de pessoas que começam a fazer em diferentes momentos. Se o vestido for muito trabalhoso demoro um pouquinho mais para fazer, mas se tivermos pouco tempo eu produzo ele o mais rápido possível. Já tive casos de vestidos de noiva e quinze anos que fizemos em uma semana, ou menos. Então em quanto tempo fica pronto é um pouco relativo, depende da data da festa. Eu me preocupo sempre com esse prazo, e nunca entrego em cima da hora. Gosto de fazer a entrega um pouquinho antes, ainda mais meninas de 15 anos, que não muda muito o corpo.

Todas fazem mais de um vestido? Quantos? O que tem a dizer sobre a troca de vestido?

Sim, hoje em dia todas fazem mais de um vestido. A maioria faz três, o da recepção e o da valsa com saia removível que vira um curtinho para a festa. Algumas meninas fazem só dois, quando elas realmente não querem trocar muito, ou para investir em vestidos mais legais, quando não querem ter uma despesa tão grande, aí fazemos recepção e valsa. Eu acho que a troca de vestidos sendo três é tranquila, mais do que isso fica muita coisa. E se o terceiro vestido não for o da saia removível acaba sendo um pouco trabalhoso porque realmente termina perdendo tempo de festa.

O vestido da recepção acho bacana combinar com a temática da festa, algo mais social, porque é o momento que ela vai receber família, amigos e tirar a maioria das fotos. Tem que ser um modelo mais comportado e glamuroso para que as pessoas visualizem ali o clima que a aniversariante quer passar. Para o segundo vestido, que é da valsa, eu acho que tem que ser o vestido dos sonhos. Algo luxuoso, elaborado e com um glamour bem bonito, pois é o que vai mostrar toda a tradição do que a festa representa. Esse segundo vestido geralmente ele tem a saia removível para depois ela curtir o resto da festa com aquele modelo que torna-se curtinho mas mantém todo aquele brilho e glamour da valsa. Quando a cliente faz um terceiro,  puxamos para algo bem baladinha, mais curtinho e com bastante brilho.

Você fez festa de 15 anos? Quais suas lembranças da data? Na sua época mudava de vestido?

Como eu disse, na minha época não era moda fazer festa de 15 anos, nenhuma amiga minha fez. Meu aniversário comemorei num restaurante japonês. Foi o máximo. Naquela época comida japonesa estava meio que começando no Brasil, não tinha tantos restaurantes, por isso foi super bacana. Lembro que usei um vestido preto e uma jaqueta de couro do Frankie Amaury, que era aquela marca super bacana na época que trabalhava muito com couro. Eu estava super estilosa, não era nada tradicional, pelo contrário, totalmente fora, mas eu me sentia linda maravilhosa. A festa foi bem legal, tinha DJ, comida mas não era algo tão dançante.

Na minha época de adolescente eu fui em algumas festas de quinze anos mas era muito diferente do que é hoje em dia. Eram festas bem mais simples. Geralmente tinha um DJ e aqueles drinks sem álcool, coloridos. Era uma coisa mais criança, muito infantil. Hoje em dia as coisas são bem diferentes. Antes da minha fase adolescente acho que tinha aquela coisa mais cafona, de usar aqueles vestidos mais com amplos, com luva, coroa… Quando chegou minha vez o mood era tipo “não vamos fazer isso então não vamos fazer nem festa”.

Hoje em dia acho que a gente conseguiu chegar num meio termo bacana, de ter uma festa tradicional mas zero cafona. As roupas, muito pelo contrário, são maravilhosas e super Oscar.

Elas são muito inseguras? Qual conselho daria para quem não tem poder de decisão?

Sim, a maioria das meninas são inseguras. Mesmo as que são muito seguras, ainda assim elas são inseguras. Me lembro que quando tinha quinze eu era assim também, por isso acho que qualquer menina dessa idade tem inseguranças com várias questões, se o estilo delas é legal mesmo, se o corpo é atraente, se tem muito ou pouco peito, se são muito magras ou gordinhas, se o cabelo é bonito… Por isso tento ser bem sensível para entender qual é a segurança exata delas, e acho que elas terminam curtindo bastante fazer vestidos no atelier por isso, porque elas sentem que podem fazer as escolhas delas.

O conselho que eu daria para quem não tem poder de decisão é tentar fazer um auto conhecimento. A gente só consegue ter um poder de decisão mais firme quando nos conhecemos melhor. Então se elas não se conhecem tanto é importante deixar que outras pessoas que talvez conheçam melhor tomem decisões por elas, porque só dessa forma vão conseguir ter um resultado final que vão gostar de verdade.

O vestido precisa ter a ver com o tema da decoração?

Se a festa for temática eu gosto que o primeiro vestido da recepção tenha a ver com a decoração. Eu já fiz vários tipos de tema, como Marrocos, Las Vegas, Nova Iorque, Paris, anos 70… Todos os vestidos podem ter um pouco de perfume da decoração e do tema, mas eu acho que eles não são uma fantasia. Uma vez atendi uma menina que o tema foi Alice no País das Maravilhas e ela realmente alugou uma fantasia para abrir a festa e depois eu fiz um vestido para ela numa pegada meio Alice no País das Maravilhas “Oscar”. Ficou incrível.

Em poucas palavras, é bom explorar o tema no vestido da recepção e seguir com um perfumezinho nos seguintes.

Saias removíveis são sempre boa pedidas?

Sim, são sempre uma boa pedida porque elas atrapalham menos essa história de “troca de roupa” no andamento da festa. Se a debutante fosse trocar mais um vestido acabaria perdendo 20 ou 30 minutos de festa. Gosto da saia removível porque ela agiliza a vida por ser mais prática e até financeiramente falando, porque no final das contas é apenas um vestido que faz o clima valsa quando longo e depois balada quando curto.

Qual o segredo do vestido perfeito?

Os segredos do vestido perfeito para a meninas de quinze anos são:

  • Ele ter super a ver com a festa, com o clima, podendo ser temático ou não.
  • Deixar a aniversariante muito segura com o próprio corpo, com o cabelo, com tudo. Ela precisa dessa segurança de uma roupa legal para se sentir bonita.
  • Agradar os pais. Penso que os pais têm que ver a filha ali naquele momento de uma forma que eles gostariam de vê-la.

Como elas devem organizar as referências? Todas são onlines ou elas chegam com revistas, recortes?

Hoje em dia ninguém mais leva revista ou recorte. Se nem as noivas levam, imagina as meninas de 15 anos. É muito raro. Se gostam de uma coisa de revista, elas fotografam e deixam no celular. São super organizadinhas com isso, geralmente fazem uma pastinha no aparelho com as inspirações, mas muitas dessas referências não fazem muito sentido. Elas também costumam gostar do vestido da fulana que usou no prêmio tal, aí eu jogo lá no Google e dou uma olhada. Essa parte é 100% online.

Vestido igual para as amigas: quem arca com esse custo se a aniversariante as convidar para uma apresentação de dança na festa, por exemplo?

A aniversariante sempre arca com os vestidos das amigas que vão dançar junto. Eu nunca vejo esse custo indo para as convidadas. É sempre a aniversariante porque geralmente são vestidos bem temáticos, bem específicos, de uma cor mais forte. Eu acho bacana a debutante convidar outras meninas para a apresentação de dança, é uma forma de integrar as amigas de uma certa maneira na festa. É como se fossem madrinhas de casamento.

Quais as formas de pagamento? Se mais de uma pessoa da família fizer o vestido o com você ela ganha vantagens?

No atelier a gente trabalha com desconto ou parcelamento. É claro que se formos fazer mais de um vestido facilitamos bastante e a cliente ganha várias vantagens. Às vezes termino fazendo oito looks de uma mesma família, da tia, mãe, irmã…

Carol Hungria: Uso do salto

#VALE EVITAR!

Magrinhas: vestidos muito “bolo” porque elas podem ficar com muita carinha de criança, mais do que elas já têm. Tomara que caia também, para não ficar muito sem busto, não mostrar tanto que elas são tão magrinhas assim.

Gordinhas: vale evitar vestidos muito cortados na cintura, porque como elas não tem muita postura e isso pode deixar a barriga mais estufada, por isso é importante escolher um modelo mais longilíneo.

Altas: evitar muito salto porque se elas são muito altas geralmente começam a andar curvadas por ficarem com vergonha dessa altura toda. É legal optar por uma sapatilha ou um sapato com salto mais baixinho para elas não ficarem andando curvadas pela festa.

Baixas: qualquer vestido com recortes na cintura ou quadril porque isso acaba diminuindo. Meu conselho é escolher um modelo mais alongado e inteiro. No máximo uma faixa na cintura para ficar com a perna maior que o corpo.  Depende da baixinha, mas isso pode funcionar. E decote em V que é super legal porque sempre dá uma alongada.

No cabelo: não gosto de muita coisa porque acaba ficando too much ou meio noiva. As meninas de 15 devem investir em um penteado elegante mas sem acessórios no cabelo. No máximo uma tiara bonita para dar um certo brilho no momento da valsa, mas com cuidado para não ficar muito noiva ou muito coroa. Tem que ser algo discreto, bem menina.

Make: tomar cuidado com make muito forte. A gente não pode esquecer que são adolescentes. As meninas de 15 precisam ter uma make mais leve. Um olho bem marcado bonito, um blush mais rosinha. Tem que tomar cuidado com o olho muito preto, com a boca escura ou com o blush muito marcado, porque acaba descaracterizando um pouco a idade. Termina virando uma menina de 18 anos e a ideia é mesmo ser uma de quinze. Dentro do estilo dela, mas uma menina de quinze anos.

#UM SALTO…

Elas têm que tomar muito cuidado com o salto. Ele deve ser o mais confortável possível. Eu falo isso para todas as minhas clientes, mas no caso das de quinze anos é mais importante ainda. Elas não conseguem andar direito com o sapato, aí fica realmente muito feio. E pensando que elas vão ter três vestidos eu sempre indico: se o primeiro vestido for curto use um salto médio para ficar elegante e bacana com o vestido, mas sem exagerar para depois ela não ficar sem aguentar nenhum sapato. Com o vestido da valsa, um mais baixinho, o menor possível, já que ninguém vai ver com a saia longa. Para o vestido da baladinha, pode usar um saltão mas elas já sabem que vão acabar usando um chinelo depois, por isso prefiro garantir com um médio também. O importante é realmente o conforto. Fica muito feio as meninas colocarem chinelo.

#O QUE ESTÁ EM ALTA?

1- Para a valsa e balada tons claros: nude, rosé, lilás, azul clarinho, verde água.

2- Tons fortes para o vestido da recepção: vermelho, azulão, azul Tiffany, enfim, uma cor bem mais impactante para o primeiro modelo.

3- Transparência pelo corpo, aplicações de renda na pele.

4- Decotes nas costas em formato V, quadrado, em U, ou bem profundos.

5- O brilho, que nunca sai de moda com as meninas de 15 anos. Vale misturar texturas, como cristais, pérolas e paetês, e investir em pontos de bordado prateado em um vestido que não seja desse tom.

6- Vestido sem manga ou com as manguinhas que já viraram até hashtag (#manguinhasdacarol). As com fios de vidrilhos estão super em alta. As meninas de quinze geralmente não curtem muita manga, mas é bonito colocar um detalhe no braço para enriquecer o vestido.

7- Elas gostam muito não só para a saia da valsa mas também para a baladinha. A gente tem feito muito detalhe de tule bem desfiadinho. Fica super bonito.

8- Aplicações de flores 3D e no geral.

9- Rendas, que não saem de moda com elas nunca, seja em detalhes, por todo o corpo ou em aplicações.

10- Bordados bem elaborados e desenhados formando uma textura maravilhosa em um vestido inteiro. Essa é legal porque deixa o vestido super glamuroso e consegue fugir um pouquinho da renda, que às vezes é um pouco cansativo para se colocar nos três vestidos.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *